Está aqui

Henry George

(1839 Filadélfia, Estados Unidos – 1897 Nova Iorque, Estados Unidos)

Henry GeorgeQuando Henry George falava da pobreza, ele sabia do que falava. Isto porque passou a maior parte da sua vida na pobreza, como marinheiro mal pago ou como assistente de tipografia, antes de se tornar no mais bem sucedido economista da sua era. Em 1879, George – um autodidacta da economia – publicou o livro “Progress and Poverty”, que se tornou imediatamente num best-seller e foi traduzido para quase todas as línguas. Além disso, o livro despoletou movimentos de reforma social (“Georgistas”) por todo o mundo.

A ideia central do livro era que todos os tipos de imposto tendem a sufocar o crescimento e a prejudicar os interesses dos pobres. Um elevado imposto sobre os rendimentos, por exemplo, produziria desemprego. Como tal, apenas um imposto sobre a terra deveria ser cobrado, como “taxa única”. A posse de terra, argumentava George no espírito da economia ricardina, não era uma propriedade “normal”. A terra existia em quantidades limitadas, criava uma renda imerecida, fazia com que os proprietários de terra explorassem todos os outros e conduzia ao monopólio. Resumindo, era a causa real de toda a pobreza existente e como tal tinha de ser taxada de forma vigorosa.

Embora fosse um reformista social empenhado, George tinha muito pouco em comum com os socialistas e marxistas da época. Ele acreditava firmemente que os mercados livres eram a melhor maneira de retirar as massas da pobreza. Os seus princípios liberais tornaram-se evidentes em “Protection or Free-Trade” (1886), uma defesa bem-humorada do comércio livre. Ele acreditava que seria possível libertar o mercado de monopólios e grilhões artificiais se fosse introduzida uma “taxa única”. Para ele, um imposto sobre a terra seria “neutro” ou até benéfico para o mercado. Muitos economistas hoje encaram esta ideia com cepticismo. Uma taxa elevada sobre a terra não aproveitada pode muito bem distorcer a distribuição de terra num país, mas causa certamente menos distorções do que a maioria das taxas alternativas.

No entanto, o que tornou George num pensador liberal tão importante foi a sua busca sincera por uma reforma social que se pudesse conciliar com os imperativos do laissez faire e do liberalismo. Isto fê-lo destacar-se de muitos reformistas sociais posteriores (liberais apenas de nome) que estavam dispostos a sacrificar a liberdade no altar do Estado-providência intervencionista.

Bibliografia:

Todos os principais trabalhos de Henry George podem ser encomendados no sítio da Fundação Robert Schalkenbach, que também contém muita informação valiosa sobre o autor.

Texto original do Liberales Institute, traduzido por Luís Humberto Teixeira

Taxonomy upgrade extras: